sábado, 4 de fevereiro de 2012

SÁBADO 04-02-2012

 PORTO DE MÁGOA

Por entre uma Ribeira cansada
Rios de águas de risos
Choros que não dão em nada
Há um rio onde estremeço
Dias descontentes imprecisos
Margens que não alcanço
Tristezas que não mereço
Fúria onde não danço
E por uma rua engalanada
Correm olhos humedecidos
Barcas na margem parada
Barqueiros entristecidos
Redobram Miragaia ferida
De outras guerras a cumprir
Entre margens sentida
Numa água por sentir
Fecho os olhos e sinto
O rio que me corre adentro
Triste mágoa não desminto
Ondular desse lamento
Param as águas
Correm mágoas
...
musa


 INSANA LUCIDEZ

Rios de tinta
eu deixo no papel,
são relíquias minhas
por entre os olhos desventrados,
são o cume da montanha
que me pulsa nos punhos.

O sol é uma romã aberta
que reflecte o ácido
que sinto nas entranhas,
fico-me a rasgar a terra
donde sai água cristalina,
fico-me no esconso
onde os pássaros fazem ninho
e agarro os dias
que vão passando incompletos.

Procuro-te insano
por todos os lugares sombrios
em que as noites
tomam formas vampíricas
onde o amanhã se esfuma
no livre crepitar das labaredas.

Não tem de haver arco-íris
para que o sol aqueça
as cores agrestes dos telhados.
Não tem de haver lágrimas
para se sentir saudade.

Pode o frio trespassar a pele
e deixar a alma gelada,
pode haver trovoadas
para além dos relâmpagos,
que terei sempre nos dedos
um rio permanente
enquanto houver
uma nascente nos teus olhos.

Francisco Valverde Arsénio

(Pintura de Armando Alves)



MEU VALE DE LUZ...


Perco-me no alto mar das ondas de sangue
que me corre nas veias.
Os meus nervos sabem a relâmpagos de tempestade
e  a êxtases de luz,
tal o fragor que desce pelas colinas de lava incandescente
que meu âmago produz…
Há algas de sal marinho
que guardo num livro de água  viva,
                                                  onde vou lendo o segredo do oceano da vida.

Dói-me o mar onde me perco.
Tantos ficaram tão perto…
                                            que dele se perderam, em rotas  de fascínio!

E no oceano de vagas alterosas
sinto a ânsia da cor da verde folhagem
do meu ser-a-arder…
Éum fogo-de-penar
esta pedra ígnea que aquece o corpo meu,
espantando as andorinhas de asas da cor do breu…

A alma caminha em rotas do céu
qual peregrina cansada
a um bordão encostada
procurando o olhar teu !

Searas de linho coram ao sol que arde
lembrando brancos lençóis de renda bordada
no brilho das gotas do suor de amor…

Pinhais batidos pelos ventos audazes e vibrantes
dão à luz frutos do seu ventre
criados no vibrar dos sussurros
                                                       dos crepúsculos ululantes…
E a serra, de arvoredos copados e redondos
(lembrando VENTRE-de-MÃE)
cobertos de verdes-moços de musgo macio
onde apetece cair e rebolar,
afasta-me da beleza do teu olhar…

Ela sabe que estou cansada de te Sonhar…

Sou rio de fogo
                          a tentar abraçar tua ilhota de pedra
                           que sussurra amor .
Das frestas de ti escorrem flores de cores vivas…
silvados floridos…sorrisos atrevidos…respiros de mim…

Sou assim!
…ramo fresco que te acaricia
nesta postura  vadia-de-mim!
no constante lutar por ti…

Trepo o fumo branco do teu respirar
e agarro tua boca…(a sonhar)…
Teu odor fino  e puro entra-me na alma
onde o espera a alegria –na-força-do-meu-sentir-te…

E o meu vale de luz, que se dilata quando te seduz,
fervilha em chama-alta-que-se-sublima,
na madrugada do desfazer teias da tua luz orvalhada…

R- C13N-5-JAN/012 (ert)
Marilisa Ribeiro


"Se eu pudesse..."
 
Se eu pudesse falar... gritava.
Se eu pudesse andar... corria.
Se eu pudesse olhar... gostava.
Se eu me cala-se... morria.
Morrerei sem gritar.
Correndo... por gostar,
acabou um dia.
E o vento soprou,
a raiz voou.
Fiquei...
 
Carlos Lobato
 
 

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

SEXTA FEIRA 03-02-2012
Bom dia, com Alegria e Simpatia!!!
Mil POEMAS
Conheço mil poemas
Que falam de búzios.
E dez mil poetas
Que nunca os cativaram
No sibilar dos ventos.

Conheço outros mil

Que falam de pássaros.
E dez mil poetas
Que jamais espreitaram
Dois ovos num ninho.
Sabem imitar
Os seus cantos d'alba?
E assobiar as árias de ocaso?

E sei de mil mais

Que também nos falam
Da vida das pedras.
Dão-lhe mil sentidos...
Mas quantos poetas
Já adormeceram
Em plena harmonia,
Um riso aflorando
No canto dos lábios,
Lembrando fantasmas
Quando as pedras cantam?

Sabem que as redondas

São sempre as mais sábias?

E dos mil sussurros,

Tristes prisioneiros
Em poemas-celas?
Falarão verdade
Ou estão a fingir
Ao dizer que os ouvem?

Quantos poluíram

De silêncio a alma?

Aníbal Raposo
 

Silêncio…
Não faças barulho.
Aprende comigo, que eu não vou viver para sempre
E um dia, um dia vais lembrar-te do que te digo agora, e dar-me razão.
Agora escuta com atenção…
Se no sítio onde antes te batia o coração,
Te cantar um pássaro.
Se na barriga, te voarem mil asas de borboletas,
Coloridas, frágeis, em eterna metamorfose.
Se sempre que falares, da tua boca só sairem poemas,
Se o mundo for azul claro, pincelado de prata e mel
e se a tua boca te souber a algodão doce,
É sinal que estás irremediavelmente perdido…

Perdido de amor!

A. Luz




 A MINHA POESIA É LEVE

A minha poesia é leve
Como a pena do pavão
Quem assim quiser consegue
Levá-la no coração.
Ela vai para todo o mundo
Com ou sem autorização
Leva um sentimento profundo
Que me sai do coração.
Trazia o coração aos ais
Sem amigos virtuais
Agora ando descansado
Que os amigos virtuais
Sinto que são tão leais
Como os que tenho a meu lado.
Para todos o meu carinho.

Abílio Aires


Meu nome é Mulher

Eu sou
A razão do pranto
que habita no teu peito
desde  que o vento da desilusão
expulsou dos teus sonhos , a esperança
e te deixou naufrago
num mar de solidão , que ninguém vê...
- E meu nome é Mulher !

Eu sou
a explosão do teu desespero
quando a tua noite fria e triste
é povoada pelos abutres
que te descarnam o sonho que te guia
e te deixam sem sentidos 
abandonado , na poeira do caminho ..
- E meu nome é Mulher!

Eu sou
a angustia do teu olhar
que parte incerto
palpando um futuro
que tem um sabor amargo
no grito que calas na garganta
na ferida  antiga que não sara
e te atira vagas promessas de sol  e de chuva..
-E meu nome é Mulher !

Eu sou
a  lágrima transparente 
que escorrega no teu rosto
e te acarinha a revolta
quando a verdade
de um mundo imundo
onde o teu sonho não cabe
é um açoite que te fustiga o pensamento
- E meu nome  é Mulher !

Eu
sou o fumo das cinzas
de um sonho que já não te pertence
porque te acobardaste
debaixo do espanto e da nudez que sentiste
Perante  o mundo que esperavas
e não encontraste
E meu nome  é Mulher!

Eu sou
a ilusão que te sabe a sol
nas tardes  cinzentas da vida
sou o cansaço que inventas
perante a indignação que em mim resiste
ao ver tanta dor de parto perdida
na guerra inútil que fazes ao teu irmão
- E meu nome é Mulher!

Eu sou
o poema que toda a criança
leva no olhar quando saúda o sol
Sou o brinquedo que te satisfaz
e que te entedia
mas que gostas de ter 
Porque és animal
E meu destino é ser Mulher!

Mas eu sou também
O teu sonho azul
que esvoaça livre no ar 
e com as cores do arco íris
desenha  no teu horizonte a clara promessa
 de um novo Amanhã ......

Isaura Vieira

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

QUINTA FEIRA 02-02-2012

 Bom dia, com muita inspiração e poesia!!!
CAMINHOS

Não vou deixar

Que destruam
O pouco que ficou
O que restou
Dum coração que tanto amou
Duma vida sem sentido
Os caminhos, ah esses caminhos
Por onde passei
De espinhos afiados
Mas não desisti
Nem hesitei
Nesses meus anos dourados
Cada batalha ganha
Cada vitória alcançada
São como pétalas de rosa
Seu perfume me embriaga
Mas tenho de continuar a caminhada
Nesse caminho espinhoso
Se não quero ficar sem nada
Ia ser muito penoso

tulipanegra(Rosa Ferreira)
 
 
Ilha de lava

Nas asas de bruma se veste o adeus
inalando o aroma da conteira.
Deixa rugas, afectos entre os meus,
que escavam o corpo a vida inteira.
Instantes que pairam, vencem o tempo
com idades de inocência, pureza,
guardando em místico sentimento
corpos nus de lava, cor e beleza.
No berço atlântico do Antero
jubilam no silêncio e maresia
palavras de luz, vibrações do etéreo;
versos que gritam no fundo do mar
paixões e angústias de tanto amar
o pulsar incerto da poesia!

Nelson Moniz


ainda são gente

olhos vazios de vida vagueiam por essas ruas...
desertas de estar.
colam-se estáticos ao encriptado betão,
desenham graffitis de nada: marcas foscas no sabão.
caras pálidas de ser
percorrem espaços ausentes de rostos -
inertes fantasmas -
caminham na direcção dos tectos ocos,
chegam ao nunca:
ao lado nenhum de todos os lados -
sempre de vazio atarefados.
corpos desprovidos de toque,
movimentam-se apáticos na multidão sem gente;
evitam-se no beijo, no abraço, no doce amasso -
em terrenos virtuais (fibras descarnadas de sangue)
amam-se de paixão: meras estruturas conceptuais - desilusão.
almas carentes de tudo
sofrem nas ânsias sentidas correntes de nada:
andam, correm, param - raramente tropeçam
naquela que é a sua verdadeira estada.
circulam perdidas de si no encontro de si;
rebatem os pisos de sempre -
caem,levantam,
olham de frente o outro (também ele descrente).
músculos rígidos de dor
cambaleiam nos atalhos somados,
soltam lágrimas rebeldes -
há muito cansadas;
cerram nos dentes a chuva,
morada constante de suas mentes.
olhos cálidos de amor
aguardam o momento de si -
neste mundo a que vieram (com tanto vigor).
queimam como que nas águas do ventre;
desbravam caminho no alagar teimoso de quem tudo e nada sente:
ainda são gente.

 Conceição Sousa


NAUFRÁGIO

Ergue-se a recordação da tempestade
E sobre mim chovem frias as lembranças

Cubro de rosas vermelhas
A minha própria tumba

Os pássaros bateram asas
Em debandada para o sul

Consumo-me no tempo
Naufrago de mim mesmo

Na hora do naufrágio lembro-me do beijo
Como um farol de promessa de sobrevivência

Sou náufrago da minha ansiedade
Promessa de minha embriaguez

Perdido na neblina nas muralhas de sombra
Caminho para além do desejo

Tu és a mulher que eu amei, e a que eu perdi
E é a ti nesta hora que evoco a ternura

É negra a solidão neste planalto, e é a ti
Mulher de amor que devo a ternura dos braços que me acolheram

Era sede e fome que sacias-te
Desventura que venturas-te

Mulher terra da tua alma
Cruz do meu pecado

Desfilam beijos pelas campas
E pássaros debicam uvas maduras

Beijos que mordem nos dentes famintos
Dos corpos entrelaçados

Foste meu destino e nele viajo
Naufrago de vontade

Marinheiro agarrado ao leme do navio

Já parti do cais da madrugada
Já se foi aquela estrela

Que os meninos de Trindade Coelho perseguiam….
Eh…! Boieira…..! Eh Boieira…!
…… Quando voltas

Zé Maldonado

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

QUARTA FEIRA 01.02.2012

 BOM DIA.....recheado de Sorrisos!!!

Eu apenas...

Sou um apaixonado pelas coisas simples da vida que passam despercebidas ao comum dos mortais.....gosto da brisa ao anoitecer numa noite de verão à beira mar.....gosto do mar....onde vou “beber” a minha energia....gosto de escrever....a escrita liberta-me.....a escrita é uma catarse e a poesia a minha paixão......gosto da utopia.....gosto de ajudar por ajudar....gosto da sensualidade e da sedução......fascinam-me as pessoas e o seu interior.....encanta-me a beleza feminina e a sua sensibilidade....

....deslumbra-me uma gota de orvalho que escorre na janela pela madrugada....encanta-me um dia de chuva que cai copiosamente ao ritmo do vento que fustiga a janela por onde eu espreito e onde a minha imaginação se perde e o meu pensamento voa......sensibiliza-me o riso de uma criança e um cantar de um rouxinol....comovo-me com um simples acorde musical e com um abraço sincero.......gosto de ser livre como uma ave que voa no seu esplendor ao sabor do vento e rumar sem destino ao infinito onde as estrelas esperam por mim....

...acredito no amor e nos sentimentos.....gosto da intimidade e das confidências.....acredito no olhar das pessoas....acredito na esperança e na felicidade dos pequenos nadas.....ainda acredito nalguma bondade e altruísmo no outro....

.....abomino a hipocrisia humana, a indiferença e a injustiça.....entristece-me a ausência de valores e o egocentrismo....detesto a falta de transparência e a mentira...temo a solidão e o desprezo....sou aquilo que sou e eu apenas.....sou um turbilhão de emoções que poucos entenderão.......

Apenas existo na cumplicidade de um poema sem qual a solidão me levaria a alma

José Guerra

HIBERNAR

Intuo umas nuvens cinzentas que se aproximam
De mansinho
Soberanas conquistam o céu
Tapando o Sol
Ficando bréu
Assisto
Sinto frio
Resta-me isso
Esperar
Não me vejo a partir
Não me vejo a ficar
Sinto cada dia mais latente
A vontade de hibernar
Até tudo amainar
Sim
Sinto-me blue
Para que negar?
Mas sei que tudo vai passar
Frágil me sinto
A quebrar por dentro
A qualquer momento
Por isso hiberno.
Tento conservar o que de melhor
Em mim resta
O que de melhor em mim ficou
Quem sabe um dia acordo
E tudo passou
Descubro novos céus
Novos ventos
Quem sabe a letargia
Me Ganha e eu desisto
De acordar
Quem sabe?
Por agora sei que devo parar
Não é um Adeus
É sempre um até Já.

Cristina Vaz 


LUA FRIA
        
 LUA FRIA
Na varanda do meu andar,
Vejo triste e fria a Lua surgir,
Procuro seguir o rastro dela,
Juntar a luz ao meu sonhar,
Travar assim o teu fugir.
Peço ajuda à Estrela Polar,
Para iluminar o meu caminho.
Solicito à Lua o seu luar,
A Vénus o seu carinho.
A Lua sobe redonda e fria,
Ignora o meu pedido.
Numa nuvem o luar se perdia,
Escondendo o rastro perdido.
Que culpa tenho eu, Lua!
Por seres assim tão fria?
A culpa não é minha nem tua?!
Iluminas a noite em vez do dia,
Onde o Sol emana calor,
Dando à terra todo o amor.
Pede ao teu Criador mudanças,
Mas não percas a tua cor!
O teu prateado traz-me lembranças,
Que intensificam o meu amor.
Ajuda-me a encontrar o caminho,
Não te escondas atrás das nuvens,
Dá-me também o teu carinho,
Para teres o que não tens.
O calor do meu amor te darei,
Como prémio por ti cedido,
Descobre aquela que sempre amei,
Encontra o meu bem querido.
FIM
Carlos Cebolo

Foto Google
 Não quero crescer:

sono  doce sono que me levas
para tão longe
não sei para onde deixo-me ir
tão suave viagem nem dou por mim
ao acordar recordo com ternura doces
melodias
 tocam cítaras arpas violinos que harmonia
quero sonhar não quero acordar
lindo voar das emoções! quero ser menina
quero balouçar-me sentir o vento na minha face
 fechar os olhos ir ao sabor do vento cantarolando
baixinho com nostalgia
por esses verdes campos! a lua vai passando
deixando o seu brilho quero ouvir os penedos
murmurar baixinho ouvi-los dizer está frio
quero sentir o cheiro dos pinheiros, e a caruma a cair
quero sentir o cheiro dos castanheiros em flor
quero ouvir os ribeiros a correr,água cristalina que lava a alma
e me dá calma
verdes prados erva fresca cheiro bom! seixos brancos flocos de neve
cerejas rubras malmequeres brancos do meu jardim! doce flor cheiro a jasmim
rosmaninho bravo flor do alecrim urzes e todo  mais que há nos montes
e vales! mimosas de flor amarela cheiro agreste que não se esquece!!ó minha terra
 que saudades sinto em mim! de te percorrer,  no teu ventre me meter
e renascer de tanto bem te querer! quero ser menina não quero crescer...

UKY.Marques:

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

TERÇA FEIRA 31-01-2012

  Bom dia, com muito Amor!!

Agora


Agora que estás,
fiz dos goivos
pautas de música
e dos lírios
a harpa que embala
os murmúrios do bosque,
pairando em brisas
que se entregam aos faunos
com sorrisos encantados.



Agora que estás,
as folhas vestem-se de verde
e os ramos das árvores
alongam as sombras
como lençóis macios
que testemunham
os nossos enleios.

Agora que estás,
a paz habita a fantasia
das noites silentes e mornas.

Agora que estás,
sou baía de abrigos,
porto de desejos,
ilha que guarda
os sentidos despertos.

E sou nuvem expectante,
úbere das memórias
de cada doce momento
que vou libertando,
em impetuosas cascatas,
agora que tu não estás...

© Rita Pais
 VERBO AOS COTOVELOS

Minha mãe me disse pra andar
na linha e sonhar. Pois bem!
Passei a vida nos trilhos à utopia
de parar um trem.

Já me acostumei aos atropelos
Por ser verbo aos cotovelos
O que pago só eu sei.

O trem me esmaga
Não calo o berro
Renasço à saga
Fênix de ferro.

Entre trem e trilho
Renasço e brilho
Porque sou pedra
Porque sou ita
Porque minha alma bira.

Newton Baiandeira



















Por tudo isto...


Eu queria contigo ver o pôr-do-sol,
Contigo ver o mar.
Queria fechar os olhos
E simplesmente… sonhar…

Eu queria escrever-te um poema,
Mas a minha mão vacilou.
Queria chorar por ti,
Mas a minha última lágrima secou.

Eu queria esquecer tudo isto…
Queria sentir indiferença,
Mas como é possível
Se eu ainda sinto a tua presença!

Pelo que ficou por dizer…
Pela recordação dos bons momentos.
Pelo que não consegui escrever…
Pela confusão de sentimentos.

Por tudo isto…
Por toda esta saudade.
Por não te esquecer…
Eu queria a tua amizade!

Dina Rodrigues


Eram e são
Eram naus, as nuvens que me levaram
Eram pássaros, as folhas que caiam
Eram ventos, os sorrisos que me amaram
Eram tempos, as horas que me sorriam
Eram tantos os sonhos…
Em nada medonhos
Eram estrelas, a luz do meu olhar
Eram a lua, as vontades de sonhar
Eram o sol, os beijos de desejo
Eram o mar, os carinhos onde me vejo
Eram tantos os caprichos…
Que em nada eram lixos
Eram perfumes, os sussurros da minha boca
Eram Mãos, as carícias do meu falar
Eram toque de magia em ti, menina louca
Eram o rio, meus pés a caminhar
Eram tantos os pensamentos…
Em nada ciumentos
Eram areias, as vezes que te amei
Eram ondas, os abraços que te dei
Eram a chuva, a vontade de um beijo molhado
Eram fogo, se te olhava apaixonado
Eram tantos os caminhos…
Em nada sozinhos
Eram músicas, os beijos na minha dança
Eram melodias, os sonos dormidos contigo
Eram cristais, os sentimentos de criança
Eram ouro, deitar-me no teu umbigo
Eram e são…
Se me deixares continuar…
De coração…
Amar… Amar… Amar

José Alberto Sá









segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

SEGUNDA FEIRA 30-01-2012
     Bom dia e um excelente início de semana






                                       “  NOTURNO - II “

                                               Não fales, não digas nada,
                                               Dos teus olhos, negro  olhar,
                                               Durmo com a luz apagada,
                                               Pela tua posso esperar;

                                               Vê se deixas de passar
                                               À noite pela torre alta,
                                               Não vá o sino dobrar,
                                               À hora que me faz falta

                                               E aqui me roubar a esperança
                                               Do que está visto, sem ver,
                                               Mesmo antes de já saber,
                                               Que a minha alma só descansa
                                               Quando um dia florescer,
                                               Como esta  lua  a fulgir,
                                               Como este sol a fingir,
                                               Que é o dia  a adormecer,

                                              Pois tu não ouves, não sentes,
                                              Teu expiar dentro de mim,
                                              Que ele nem há piares  assim,
                                             Tão  pios como tu mentes ?...

                                             É belo o dia, não sentes ?...
                                             E tem cores que nos encantam
                                             E outras aves de asas quentes,
                                             Que quando não voam cantam.

                                             Tu não dormes e aqui estancas,
                                             Olhos rasgos de mortalhas,
                                             Ao longe és um Deus me valha,
                                             Mais perto tens penas brancas;

                                             Ó Coruja dos meus versos,
                                             Ó  alada, mal  nascente,
                                             Que aqui me espancas  à noite,
                                             Com o teu piar perverso,

                                             Quem te vê que não te veja
                                              E pelo pouco mais que sei,
                                              Vê lá se mudas de Igreja,
                                              Que eu chamar-te, não chamei !

                                              Carlos A. N. Rodrigues

                       


















 DÁ-ME...

Dá-me uma estrela
que eu possa alcançar
demore o tempo que demorar
mas que eu possa nela sonhar
Dá-me um bote que navegue
e me leve a alto mar
onde a minh'alma sossegue
e por lá se deixe ficar
Dá-me um sonho
oferece-me um beijo
diz-me que o desejo
não vai terminar
Dá-me a lua, dá-me a noite
deixa-me nos teus braços ficar
Dá-me uma flor
uma flor qualquer
que cheire a amor
que saiba a primavera
onde eu seja mulher
eterna quimera
Dá-me um beijo roubado
numa qualquer esquina
deixa-me ser vento alado
que sobe e desce a colina
E quando a tua alma serenar
e teus olhos quiseres fechar
deixa-me ser a pálpebra
que serena
fecha o teu olhar
Que seja minha mão
doce açucena
que te acaricia
lábios de mel que te beijam
minha eterna magia
que os teus sentidos desejam
Dá-me então uma estrela
mesmo sem brilho
algo que me permita sonhar
como um filho
desejado
de que não se pode abdicar
E sempre que em noites de tempestade
vires uma estrela palidamente brilhar
sou eu que envolta em saudade
vim tua boca beijar
A saudade não me mata
mas corrói
o teu silêncio morre-me no peito
e tal como uma faca afiada
que desfere golpes a eito
cai desenfreada
e dói...

São Reis

E Fructu Arbor Cognoscitur


E hoje desfilam árvores...
Por ruas inquietas
acha-me um perfume
insinuante e acidulado.
Perfectas.
.
Quem pensa que as ruas paradas
não têm vida nem cheiram
(nem por mim olham)
por certo não viram
as folhas de noites aveludadas
que nas janelas leram.
.
Moro numa dessas.
No quintal ao topo
despem-se clareiras
que o pisco revolve
em danças travessas
errante e sem destino.
.
Retomo as copas.
Um desejo carmino
trespassar-me-á
como bafo cálido.
Felino.
.
No breu virão beijos doces
mosto raro e fino aroma.
Bocas de geleia real
vingarão na lua rara que assoma.

José Brites Inácio




Ainda o mar...
 
 

Mar encantado

Neste mar de amor
lobos marinhos
encantados
são azuis
as algas
transparentes
de cristal
e os corais
jóias brilhantes
nos cabelos.
Neste oceano
de festa
as ninfas cantam
embalando
peixes dourados
em amplexos
de espuma.
Ao beijar as vagas
o amor enrola
espreguiçando-se
em lençóis
de areia húmida.

Graça Arrimar



Foto de Helena Santos



domingo, 29 de janeiro de 2012

29-01-2012

Bom Dia e um Domingo recheado de Amor

Gira mundo! mundo anda!

As ruas são escuras
A ingenuidade da lua derramou lágrimas
Excluídas por esta sociedade
Do sexo definido em uma "virgem" e "moral"


Oprimidos desejos e fugas insensatas
A folha branca, preto no branco
Branco, no preto
Fria e crua
Abstinência ideológica
Estática da nossa situação
Palavras que dizem nada
Repressão ...
Nada ! argumentos ?
Sociedade!


Estou convicta
Da folha branca e verde, vermelha, arco-iris!
Liberdade de ser
 Do viver amando
E permite ser
Viver voando
Querer é poder!


Sexo?
Sim, sim
Porque sim!
Amemos intensivamente


Eu sou dia,noite
Verde, azul
Clara,colorida
E em meio da multidão,luta e grita
Vence e passa..
Proibido?
O vento sente, o tempo aceita


Mas eu não sei nem quem eu sou ?


Sim, a lua, o mar, o sol
Filha da natureza
Sim,bonita,feia
Alegria ou tristeza,ousadia
Sou mulher,prazer
Sou alguém
Humana!


Poesia...
Letras que respiram a saudade
Palavras corpo com vida e nua
O livro da vida na alma
Páginas de pele,suor,calor
Tu! sexualidade pura!
Sexo, paixão, profunda em flor
Extasiante erotismo


PAZ - para bombardear nos preconceitos!


Mulher, simplesmente mulher

Com alegria e ardentemente


Loucura? Porque não?
Sempre! gira mundo! mundo anda!
Nunca pares de Amar!

É a coragem e a minha vontade indomável que me faz viver,voar,sonhar!

Essa é a maior força de vida




Paula Lourenço


UMA TAÇA DE VINHO FRUTADO


UMA TAÇA DE VINHO FRUTADO

I
Quatro pés dois corpos o beijo
Findo neles o desejo
Hora de enfrentar orgasmos
Estremecidos espasmos

_ O quê! Foram só os meus!
que dirá o bom Deus
vendo que me mentiste;
sentiste! não fingiste?
ah! afinal estava embaído
sobre se teus ais tinham saído
da fonte do prazer!
q’ mais iria acontecer?

Dois toques, um gemido
_ Que foi chamaste-me querido!
não? deve ser da ternura
confusa esta loucura...

Dois meses, sem menstruação!
Ai Jesus que aflição...
_ A culpa é tua
puseste-te toda nua

Lágrimas soluços tais...
Era hora de contar aos pais
_ Vou dizer q’ me violaste!
_ Mentira! Tu concordaste

II

O que era amor esbatia-se
Irreversível perdia-se
Num diálogo, tudo menos familiar
Constante o acusar
De costas agora viradas
Entre dores nunca imaginadas
Apeçonhentando um feto
Q’ mais tarde só pediria afecto;
Nem a justiça do tribunal
Perceberia onde estaria o mal

E as lutas agudizavam-se
Os jovens atormentavam-se
Num fim q’ estava na maternidade
À distância duma eternidade;
Uma palmada, algum choro
Sorrisos, que desaforo!
O recém-nascido sempre tinha pais
Avós tios – e viria muito mais

Teria a dor sem explicações
Até compreender tolas razões
De ser rico desde nascença
Duas casas – descrença

E foi crescendo, mudando
Dizem para pior – foi andando
Trajou só com o destino
Roupa de fresco linho
Sapatos, andarilho de sandálias
Quando passeava com dálias

Fugiu célere dos cravos
Sem espinhos, muitos agravos
Envelhecendo, morrendo
Risos rezas, sofrendo

III

Perguntaram: e como te chamas?
_ Eu? Sou Francisco Lamas
minha vida é um lodo
somando metades não dá um todo!
Q’ em cada lado vivi por inteiro
Natal em Dezembro, outro em Janeiro
filhos não tive, por medo
de falhar desde cedo

_ Não desistas na primavera
vivemos noutra era
o mundo está mais aberto
e o dantes errado agora é o certo!
esta última é de sábio
conheci-o, de seu nome Flávio.

_ Eruditas palavras desse amigo
vi-o como sem abrigo
e já o escutara anteriormente
ouvindo D. Clemente;
mas a minha vida não se compadece
com salmos ou prece
por ser um bolo recheado
taça de vinho frutado
quadro pintado de branco
asfixiado por um negro pranto.

Cito Loio


[ Se as minhas tranças fossem longas ao ponto de te tocar...
Eu sei que não te iria sentir, mas iria te cobrir...
Sentirias o meu amar...
Lembrar-te o meu sorrir, o meu sentir...

Saudades de te tocar, afagar...
Ter te em meus braços, gemer a ver o sol nascer...
O perfume do teu corpo, por mim a divagar...
Voltei a nascer, mas a sentir o teu morrer...

Agora perdida me sinto, sem rumo...
Sem saber como parar este sentimento...
Que tão depressa ardeu, agora só sobrou o fumo...

Nas brumas da noite me confesso...
Para sorrir na luz do dia, onde procuro um pouco de alegria...
Mas a noite vem, memórias também, não te esqueço...]
 
Eunice Oliveira






 O NOSSO FUTURO

Um dia
Todos os anjos do universo
Vão permitir que a nossa vida seja um simples verso
Ou o mais belo poema
Que alguém teve a ousadia de escrever
Um dia
Quando as madrugadas
Forem feitas de mel
Os nossos corpos serão vestidos de uma só pele
E toda a distância causada pelo mar
Não será mais do que uma ilusão
Um dia
As garças vão coreografar para nós
Um bailado feito de perfeição e de felicidade
Num céu tecido de serenidade e de coragem
E onde só haverá sol com a nossa imagem
Nesse dia
Acordaremos a sorrir
E adormeceremos a cantar
As canções que o tempo nos diz em segredo
Haverá rosas perfeitas na nossa mesa
O chão que pisarmos será feito de eterna beleza
E riscaremos dos dicionários a palavra medo
Nesse dia
A brisa que me tocar nas faces terá o teu cheiro
E o chão que pisarmos será feito de veludo
O meu olhar será o teu olhar
Pois nada é mais verdadeiro
E de nada mais precisaremos porque então teremos tudo
Nesse dia
As fadas que orientam o caminho dos felizes
Serão a nossa luz e a nossa exultação
Brindaremos ao tempo todo o tempo que nos deu
E com as cores que ainda não foram inventadas
Pintaremos no céu as nossas mãos dadas
E delas sairá o nosso amor para ser espalhado
Pelo tempo feliz do futuro, em cada dia.

José Luís Cordeiro