quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Ilha de lava

Nas asas de bruma se veste o adeus
inalando o aroma da conteira.
Deixa rugas, afectos entre os meus,
que escavam o corpo a vida inteira.
Instantes que pairam, vencem o tempo
com idades de inocência, pureza,
guardando em místico sentimento
corpos nus de lava, cor e beleza.
No berço atlântico do Antero
jubilam no silêncio e maresia
palavras de luz, vibrações do etéreo;
versos que gritam no fundo do mar
paixões e angústias de tanto amar
o pulsar incerto da poesia!

Nelson Moniz


Sem comentários:

Publicar um comentário