sábado, 14 de abril de 2012

Beijo meu
Carícias, eu, vivo a recordar.
Tal como a nossa cama, quente,
Eu nunca o irei negar
Que és gente da minha gente.

Tu, na cama deitada,
E eu, toda a noite sem dormir
Olhando para ti, sossegada,
Guardando teu lindo sorrir.

O que sentiste foi beijo meu,
Nunca te deixarei sozinha.
Tudo não passou de sonho teu.

O amanhecer te deu cor,
Vós, sempre fostes minha
E sempre terás o meu amor.

Francis Raposo Ferreira
 

Sem comentários:

Publicar um comentário