segunda-feira, 7 de maio de 2012

Quando o meu poço de desejos secar
vou fazer dele um deserto
a subir e a descer nas dunas feitas ondas
e a navegar no orvalho
que escorre no rasto das serpentes velozes

vou abrigar-me na noite fria
nas pedras que o sol beijou
e procurar na escuridão
a estrela feita bússola
para seguir-lhe o trilho até adormecer.

Ana de Freitas
 

Sem comentários:

Publicar um comentário