sábado, 7 de abril de 2012

Páscoa


Será sempre este o tempo

de silêncios imprimidos


no corpo,na terra


na solidez da fé


caminhos percorridos


tantas vezes ... escuridão


na passagem das horas


fugaz o tempo ...frágil o corpo.




Enigmas seculares


que nos elevam o espírito


e nos mostram a verdade


tempo de renovação




Será sempre este o tempo


de um novo recomeço de


corpos cansados à deriva


almas perdidas


numa qualquer ilusão...


A vida arrastada nos caminhos


a esperança desfalecida


o gestos ausentes


as mãos vazias de abraços


vazias de nada.




Será sempre este o tempo


onde as portas se abrem


a terra se ajeita


o corpo se liberta


o espírito se ilumina.


Ressurreição.



São Gonçalves.

 

Sem comentários:

Publicar um comentário