sábado, 21 de abril de 2012

O meu rio

O meu rio vem descendo
O horizonte
Como quem chega
Em passo nupcial.
Saúda gente, montes,
Vales, prados, fontes…
Enfim, traz-me de volta
Portugal.

O meu rio corre limpo
Pelas campinas,
Como quem anda
No seu cavalo alado.
Traz-me de volta
As águas cristalinas
E o pulsar do meu
País roubado.

O meu rio desagua no rosto
De cada olhar plantado
No seu leito,
Embate na verdade,
É deposto.
E o meu sonho,
Quebrado,
Cai desfeito.

Maria da Fonte
 

Sem comentários:

Publicar um comentário