domingo, 1 de abril de 2012

CRAVOS NÃO

Quando me for de alba, quero
em vez de missas, sonatas
samba rock bossa um bolero.
- Cravos não que me matas!

Quero ainda uma lágrima tua
por almofada a nossa fotografia
da primeira vez q’ te vi nua.
- Isso não, é a minha radiografia!

Não esqueças do velho lenço
sem ele o desgosto será imenso
a par de minha boina preta

E se à noite vires um cometa
é alma de quem não me chorou
já ida, e q' sempre me amou

Cito Loio
 

Sem comentários:

Publicar um comentário