terça-feira, 17 de abril de 2012

Abraço

O teu abraço, abraça-se em mim
Tuas palavras, mimam meu coração
Nossos corpos, falam entre si…
Não nos dando explicação

Quando a divisão é impossível
O destino só tem um rumo
Arrastando-nos, um ao outro,
Passando o pente do aprumo

Mas de aprumo, pouco tem,
A não ser, felicidade
Fica difícil de calar
A voz da verdade


Qualquer mortal pode ver
Irradiam luz diferente
Todos a querem ter
Na sua vida sempre presente


A prosa pode ficar
Toda a noite a ditar
Que nunca vai arranjar
Forma de o decifrar


Ricardo Paiva
 

Sem comentários:

Publicar um comentário