sábado, 17 de março de 2012

PORQUE CHORAS

Hoje vi-te à distância.
Apercebi-me que soluçavas.
Com uma grande tristeza.
Que no rosto mostravas.

Por este facto parei.
Para observar-te melhor.
Reparei que gesticulavas.
Sem ninguém ao teu redor.

Fui-me aproximando de ti.
Lentamente, mais à frente parei.
Para ver a tua reacção.
Mas nada de estranho notei.

Estavas apenas ao telemóvel.
Mas gesticulavas com agressividade.
Pois nunca pensei isso de ti.
Nem parecia nada de verdade.

Seguidamente arremessas-te.
O telemóvel para o solo.
E pontapeaste-o com força.
Dizendo és um tolo.

De seguida sentas-te no chão.
A gritar e a chorar.
Ao mesmo tempo dizias.
Nunca mais vou-te ligar.

Foste um canalha para mim.
Dizias que me amavas.
Acreditei sempre em ti.
Mas descobri que me enganavas.

A ouvir tal desabafo.
Aproximei-me dela.
Olhei-a nos olhos.
Disse-lhe como és bela.

Posso saber porque choras.
Esta olhou-me fixadamente.
E disse-me a chorar.
Hoje, não estou contente.

Acabei tudo com o namorado.
Por ter-me enganado.
Pois gostei muito dele.
Mas o amor está findado.

Após tal desabafo a chorar.
Agarrou-se ao meu pescoço.
Disse-me queres andar comigo.
Pois tu és bom moço.

A ouvir tal declaração.
Fiquei momentaneamente calado.
E respondi-lhe a seguir.
Sim, sou o teu amado.

Pelo que beijou-me na boca.
Foi longo e apaixonante.
Pareceu-me uma eternidade.
Mas que beijo tão folgante.

Rui Santos
 

Sem comentários:

Publicar um comentário