sábado, 18 de fevereiro de 2012

SEMPRE AQUI
Por mais estranha e louca
que for a tua aventura
a tua ilusão
a tua coragem
a tua nostalgia
ou o teu desassossego...

Por mais bizarro e tortuoso
que for o teu caminho
escusas as tuas esquinas
louca a tua alegria
ou sombrio o teu destino...

Por mais esmaecido
que seja o teu azul
mais murcha seja a tua flor
menos verde tiver a tua tela
e mais indefinido for o teu arco-íris...

Por maior que seja a tua dor
e por mais que os teus olhos
se recusam a deixar de ser lagos
ao sabor do teu rosto
e este for tão-só um mapa marcado
por muitos rios à flor da tua pele...

Por maior que seja a tua alegria
essa mesma que te rasga um sorriso
te esventra a alma
e te vira do avesso
sem nem sequer dares conta...

Por maior que seja o teu amor
ou a tua angústia
ou o teu desamor
ou o teu desalinho
o teu silêncio mudo
o o teu grito surdo e rouco...

Por maiores que sejam as tuas asas
e mesmo assim não conseguires voar
porque ninguém te ensinou
e o céu te parecer um sítio escuro e imenso...

Lembra-te que eu estarei sempre aqui
à distância de um entrelaçar de dedos
de um olhar dentro do teu
de um ombro junto do teu
de um sorriso partilhado contigo
ou de uma lágrima vertida a meias

E esta seria em tudo
uma história banal
cheia de palavras bonitas
e bem intencionadas
largadas sem forma num cálice de papel
ao sabor de uma caneta tonta
dando forma a outra tonta que sou eu

não tivesse sido ela escrita
com o meu coração sangrando
e não tivesse ela tocado
dentro da tua alma
que eu sei anseia por companhia

São Reis 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário