quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

 "neste rio do país das águas"

Invento-te
nas promessas flagrantes do deserto
entre oásis inquietos
lavrados por sumptuosos rios
tranquilos
de desejo.

Na plenitude animal do meu interior
orvalho o teu corpo
de carícias.

As mãos desbravam a fome
e as trevas,
onde a água verte em desespero.

Alvaro Giesta 


Sem comentários:

Publicar um comentário