sábado, 11 de fevereiro de 2012

Ode

Ó Eterna Musa
dos meus tristes olhos
por colinas vejo-te estendida,
como Minhota saia aos folhos


Uma Flor agora és, cresceste
da semente pela Condessa lançada
foste Espada d'El Rey em riste
e Capital da Pátria Anunciada


A tua alta e bela encosta
Outrora Monte de Catarina
com uno privilégio assistiu
ao erguer da Muralha Fernandina 


Verdes, estes Campos guardam
os ditosos filhos da Memória,
guardiões são desse vivo Templo
que é a tua gloriosa história


E só por ti me espanto
Guimarães, a Sempre Imortal, 
Olho-te agora com renovado Encanto
És Altar, o de Portugal

Paulinho Cesar Fernandes Gonçalves 

 

Sem comentários:

Publicar um comentário