sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

HOJE VOU PARA RESENDE

A mente que debitava palavras

agora publica ordens de serviço.
Manda-me que coe o rio
e colha a safra sem buliço.

Serei arrais de vela enfunada

e com a ociosa probidade
de cardumes pusilânimes
levarei a bela além da cidade.

 
José Brites
 

Sem comentários:

Publicar um comentário