quarta-feira, 4 de abril de 2012

Palavras pontiagudas!

Ser alvo inocente
É ficar indignado
Nada calmo
Com vilanias vis.
Não à mentira
A tanto falso teatro
Grita o prezado ser.
É o persistir
E muito espalhar
Com aparato
Repetidas palavras
De oco sofrimento
De lamento e preces
Como falso profeta
Que vive a iludir
E leva corações
A um aplaudir
Constante e efusivo
A tanta patranha
Ornada a prata e ouro
De gentio a granel
Que ergue bandeiras
E pensa fazer milagre.

Haja sempre
Quem desmistifique
Mas pena
Para seguidor
Que acredita piamente
No comboio da farsa
Até um dia ver
Que enrolado entrou.

José rodrigues (Zeal)


Sem comentários:

Publicar um comentário