segunda-feira, 2 de abril de 2012

DORMIENTES PUER

Bocejassem as árvores
e dormiria com as estrelas.

Partilho com a temperança
o solo que me prende
e não obstante
ocorre-me o metal brandido
recatada lança.

Agitam-se tédios
e alfaiates de entretelas.

Enquanto a noite dança
antes que a manhã cirande
capto o instante
de cavaleiro polido
em farda tensa.

E, todavia, trocaria castelos
por searas belas.

Ao invés da lua que avança
por postigo alerta que fende
Morpheu clama delirante
invisível exército escolhido
por arco e flecha de criança.

Acordassem as pedras
e, infante, rolaria com elas.

José Brites Marques Inácio 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário