sexta-feira, 23 de março de 2012

Fraude
Sabes de cor a lição,
Rezas sem saber a quem.
Tudo! É que a condição
É mostrar que fazes bem.

Palavras? Leva-as o vento.
Acções? Só com quem as faz.
Dizes-te um homem atento,
Só para vires no cartaz.

Se todos fossem assim,
O que seria de nós?
Luto por ti e por mim
E nem preciso da voz.

Choras aqui e ali…
Que te roubaram o pão.
Greve? Não é solução!
Alguém que faça por ti.

Chamas a isto o quê?
Eu chamo fraude, também.
Não fazes greve, porquê?
Vives à custa de quem?
Maria da Fonte
 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário